Intro

Bem vindo ao blog Cuiqueiros, um espaço exclusivamente dedicado à cuica – instrumento musical pertencente à família dos tambores de fricção – e aos seus instrumentistas, os cuiqueiros. Sua criação e manutenção são fruto da curiosidade pessoal do músico e pesquisador Paulinho Bicolor a respeito do universo “cuiquístico” em seus mais variados aspectos. A proposta é debater sobre temas de contexto histórico, técnico e musical, e também sobre as peculiaridades deste instrumento tão característico da música brasileira e do samba, em especial. Basicamente através de textos, vídeos e músicas, pretende-se contribuir para que a cuica seja cada vez mais conhecida e admirada em todo o mundo, revelando sua graça, magia, beleza e mistério.

(To best view this blog use the Google Chrome browser)

terça-feira, 21 de abril de 2020

Vídeo 24 - 10º encontro de cuiqueiros do RJ

O cuiqueiro é mesmo um ritmista diferente. Investe grana do próprio bolso para se manter na bateria, comprando couro e demais apetrechos para um instrumento caro por si só. Nenhuma outra peça da bateria exige uma manutenção tão regular quanto a cuíca e, quando muito, aquelas que necessitam são bancadas pela própria escola, o que aliás é o correto. O cuiqueiro não tem essa sorte, mas não esmorece e segue firme para se garantir no próximo carnaval. E há uma explicação: é que a relação do cuiqueiro com o seu instrumento é muito especial. A intimidade entre o cuiqueiro e a cuíca é algo que ultrapassa o caráter utilitário dos instrumentos enquanto objetos e atinge um grau de relação como o de dois seres vivos que se amam profundamente. E isso fica declaradamente expresso no sentido de posse e pertencimento no nome que muitos assumem pela designação "da cuíca". Sem desmerecer os outros naipes, nenhuma outra peça da bateria é assimilada ao nome dos ritmistas com tanta naturalidade e frequência. Fulano da caixa ou Sicrano do surdo é algo raro de se ver, mas Beltrano da Cuíca tem aos montes! Somos da cuíca, pertencemos a ela, somos nós os instrumentos dela. Mas isso parece ser difícil de compreender por parte de quem não compartilha desse sentimento. A cuíca é um instrumento muito admirado em todo o mundo, mas também muito desprezado, infelizmente, no próprio ambiente do samba. No entanto, como dito, o cuiqueiro não esmorece e segue firme para se garantir no próximo carnaval. E há outra explicação: é que o cuiqueiro é um ritmista tão diferente que ele nem espera chegar sequer o período de ensaios do próximo carnaval. Deu um jeito de antecipar o encontro entre seus pares para compartilhar o sentimento que não aguenta segurar por muito tempo e instituiu o dia 21 de abril como o Dia da Cuíca. Mais uma vez, sem desmerecer os outros naipes, nenhuma outra peça da bateria tem o seu próprio dia sacramentado em lei municipal e, extraoficialmente, celebrado em diferentes partes do Brasil e do mundo. Conforme consta no Projeto de Lei Nº 197/2013, que oficializou o Dia da Cuíca no calendário da cidade do Rio de Janeiro, "o dia 21 de abril de 2005 marcou a realização do 1º Encontro de Cuiqueiros - RJ, na quadra da G.R.E.S. União de Jacarepaguá, reunindo ritmistas de várias escolas, amantes da cuíca, num ambiente de harmonia, confraternização e alegria, sem fins lucrativos e com entrada franca, por iniciativa de João da Cuíca da GRES Portela, aliado a um seleto grupo de amigos igualmente cuiqueiros tais como: Hildebrando (Portela), Hélio Naval (Império Serrano), João Grande, Xanduca e Carlinhos (Mangueira), Reginaldo (Império Serrano), Hélio e Niquinho (Imperatriz Leopoldinense), Luiz (Caprichosos de Pilares), Sena (Arranco) etc". E assim a cuíca ganhou seu próprio dia, graças à iniciativa movida pela amizade desses mestres e pela paixão pelo instrumento que vem se renovando de geração em geração, ano após ano. Desta vez, lamentavelmente, não será possível celebrar a 16ª edição do encontro que deu o ponta pé inicial de toda essa história. Mas pra gente não esmorecer e de alguma forma nos reunirmos nesse momento, seguem imagens inéditas do evento de 2014, rememorando aquele ambiente de muita alegria, muita cuíca e muita fumaça, pra manter a chama acesa! Viva a cuíca! Viva todos os cuiqueiros e cuiqueras de hoje, de ontem e de sempre! Parabéns pra todos nós!

.