Intro

Bem vindo ao blog Cuiqueiros, um espaço exclusivamente dedicado à cuica – instrumento musical pertencente à família dos tambores de fricção – e aos seus instrumentistas, os cuiqueiros. Sua criação e manutenção são fruto da curiosidade pessoal do músico e pesquisador Paulinho Bicolor a respeito do universo “cuiquístico” em seus mais variados aspectos. A proposta é debater sobre temas de contexto histórico, técnico e musical, e também sobre as peculiaridades deste instrumento tão característico da música brasileira e do samba, em especial. Basicamente através de textos, vídeos e músicas, pretende-se contribuir para que a cuica seja cada vez mais conhecida e admirada em todo o mundo, revelando sua graça, magia, beleza e mistério.

(To best view this blog use the Google Chrome browser)

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Como tratar a pele da sua cuica

Encontrei no site da IZZO - fabricante de instrumentos musicais - um texto com dicas de como tratar a pele animal de instrumentos de percussão. Bom, não sei dizer se as dicas desse texto são confiáveis e se de fato trazem benefícios à pele, mas achei o tema bastante interessante pra gente discutir aqui. Comentários serão bem vindos de quem tiver alguma opinião a respeito ou mais dicas de como cuidar da pele da cuica. Segue o texto: 

Muitos músicos e instrumentistas solicitam que seus instrumentos de percussão sejam empachados com pele animal, a fim de obter maior durabilidade, elasticidade e sonoridade para estes. Mas não é somente empachar o instrumento e sair por aí tocando. Inclusive, alguém que compra um instrumento com pele animal pode ficar frustrado com o som estridente e achar que fez uma péssima compra, ou optou por um tipo de pele errada. Na grande realidade, o que falta é “tratar” essa pele, pois muitos fabricantes empacham o instrumento e colocam à venda sem tratar as peles. Anotem as dicas: 

Primeiro, a pele animal sofre muitas variações de acordo com o clima e a temperatura. Por exemplo, em dias frios, ela fica frouxa, necessitando de uma leve afinação, e em dias de calor, ela estica sozinha. Por isso que não é bom deixar muito esticada no frio, pois quando esquentar o tempo, algumas fibras podem se romper e com o tempo, ela vir a rasgar.

O primeiro passo é tirar a pele do instrumento, mas sem tirar o aro em que ela foi empachada, para proceder com o tratamento adequado. Em seguida, pegue um pedaço de algodão, embebede com um pouco de azeite de dendê, tanto em cima, quanto embaixo da pele. Mas cuidado: não encharque. Passe pouco, apenas uma camadinha fina, e esfregue bem com algodão. O azeite de dendê possui propriedades que encorpam a pele, deixando-a mais resistente e com um som mais grave, reforçando as fibras sem agredir o instrumento. Não use azeite de oliva, pois ele quando seca, racha a pele por causa da grande quantidade de iodo (sal), ao contrário do azeite de dendê, que é feito de soja.

Em seguida, deixe descansar no sereno fino da noite. Coloque se possível, embaixo de alguma telha ou uma cobertura, para que receba apenas a brisa fina, fazendo com que a pele possa encorpar (cozinhar à frio). Mas atenção: não deixe a água cair direto na pele, pois encharcada a pele pode se soltar do aro, estragando todo o processo.

No dia seguinte, coloque de forma indireta sobre o sol (na sombra) para secar. Em baixo de alguma proteção, para que apenas o calor não intenso seque naturalmente a pele. Deixe secar por quatro horas e pronto. Coloque no instrumento novamente, afinando sempre em X. Aperte um parafuso com duas voltas, vá à outra extremidade e dê duas voltas também, procedendo assim em todos os parafusos.

Quando começar a dar o aperto, de meia em meia volta, vá apertando os parafusos e batendo levemente a mão logo em cima deles na pele, observando se em todos os parafusos o som é o mesmo. Se algum estiver com um som mais grave, vá apertando até dar o tom desejado. Assim, seu instrumento está afinado e com a pele tratada, a qual, se for bem cuidada, durará em média dois anos com um excelente som.

8 comentários:

  1. Fala Paulinho,

    Bela matéria, falando sobre pele, quando podemos ir na ARTCELSIOR, pois gostaria da sua ajuda para escolher uma pele boa para a minha cuíca.
    Te encaminhei um email, forte abraço.
    Junior

    ResponderExcluir
  2. achei ótima a postagem, mais em relação à cuíca, eu acho q o sistema do azeite de dendê ñ seria um ótima opção pois ele engrossa a pele fazendo surtir mais os sons graves, sendo q na cuíca o q da aquele brilho é o som agudo. essa é uma opinião de um leigo nesse tema, só estou comentando o q os mais antigos passam para mim valeu galera!!!!!

    ResponderExcluir
  3. fala querido mais uma vez parabéns pela ótima matéria eu como sou adepto do candomblé já utilizava o azeite de dende sendo que os atabaques são tratados desta forma. Cada um cada um, mas é uma ótima opção, tem um amigo meu, cuíqueiro, que utiliza creme hidratante e assim por diante mais uma vez obrigado pela matéria ,forte abraço

    ResponderExcluir
  4. Muitooo Bacanaaa essaa Páginaaa , mas eu achoo que o azeite de Dende tem melhores resultados com instrumentos graves como por exemplo o surdo , ja para a Cuica não sei dizer se é uma boa ideia , no meu caso eu prefiro passar creme hidratante , ou Leite que da um bom resultado : )

    ResponderExcluir
  5. Vixxx quero tratar a pele da minha Cuíca é nova uns 6 meses,só que estou meio assim e se mudar o som pois agora que estou conseguindo tirar um agudo legal!!! Não sei se uso azeite ou leite igual amigo de cima sitou!!!

    ResponderExcluir
  6. Cara estou com o mesmo problema preciso tratar minha cuíca mas não sei se uso idratante, quero um som agudo e ai gente???
    valeu a postagem!!!

    ResponderExcluir
  7. Ola pessoal to querendo muito comprar uma cuica moro na Italia e por aqui e dificil encontrar cuica mais dificil cuiqueiros por isso peço um toque de alguem ai a cuica que eu vi e essa do link aqui gostaria de saber a diferença entre os tamanhos de cuicas e diferenças de som etc.. http://www.brasilando.com/nl/braziliaanse_percussie/cuica/cuica_6_x_17cm_aluminium_gope

    ResponderExcluir
  8. Pessoal,
    Primeiramente peço licença a todos, pois sou novato no blog.
    Caso alguém possa me ajudar, ficarei extremamente agradecido.
    Adquiri recentemente uma cuíca usada, e o antigo proprietário fez uma série de desenhos e escrituras com pincel atômico na pele do instrumento.
    Gostaria de saber se há algum produto que posso utilizar para remover esta tinta, que não agrida e/ou danifique a pele, pois logo em seguida, vou "tatuar" nela que "cuíca não se empresta" !
    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir