Intro

Bem vindo ao blog Cuiqueiros, um espaço exclusivamente dedicado à cuica – instrumento musical pertencente à família dos tambores de fricção – e aos seus instrumentistas, os cuiqueiros. Sua criação e manutenção são fruto da curiosidade pessoal do músico e pesquisador Paulinho Bicolor a respeito do universo “cuiquístico” em seus mais variados aspectos. A proposta é debater sobre temas de contexto histórico, técnico e musical, e também sobre as peculiaridades deste instrumento tão característico da música brasileira e do samba, em especial. Basicamente através de textos, vídeos e músicas, pretende-se contribuir para que a cuica seja cada vez mais conhecida e admirada em todo o mundo, revelando sua graça, magia, beleza e mistério.

(To best view this blog use the Google Chrome browser)

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Dicionário Ilustrado de Ritmos e Instrumentos de Percussão

Esta postagem traz a definição para o verbete "cuica" descrito no Dicionário Ilustrado de Ritmos e Instrumentos de Percussão, de autoria de Reppolho, um grande músico brasileiro natural da cidade de Recife - PE. Segue o texto e suas valiosas informações:


CUICA - Membranofone reinventado no Brasil pelos escravos vindos de Angola e do Congo. Chamada de “mpwita” (em Angola), na língua Kimbundo é conhecida pelo nome kpuita. Conhecida também por Tambos-Onça ou Tambor-Onça, Omelê, Socador, Roncador, Porca, ou Onça e Ronca. Tem formato de um pequeno tambor com pele fixada a uma haste de madeira interna friccionada com um pano molhado reproduzindo um som parecido com um ruído de um porco. Anteriormente essa haste era externa. De acordo com o pesquisador Arthur de Oliveira, a cuica foi introduzida nas Escolas de Samba no Rio de Janeiro pelo músico João da Mina, do Morro de São Carlos. Segundo o percussionista paulista Osvaldinho da Cuica (Osvaldo Barro, 1940) o instrumento foi introduzido no samba na década de 1920. Com o passar do tempo tornou-se um instrumento de improvisação e melodia, passando a fazer parte do arsenal percussivo brasileiro, sendo incorporada às escolas de samba. Encontrada em diferentes gêneros musicais, como o jazz contemporâneo, o pop, o funk, entre outros estilos. Segundo Arthur de Oliveira “até meados da década de 1930, os sambistas traziam-na presa sob o braço esquerdo, com a membrana para trás. Com a mão direita atritavam a haste. A partir dessa época, começaram a pendurar a cuica ao pescoço com um cordão, enquanto a mão esquerda, colocada no centro da membrana pelo lado de fora, variava a tensão do couro produzindo variação na frequência do som gerado”. De acordo com Euclides Amaral “nas Ilhas de Madeira, São Tomé e Príncipe o termo “puíta” serve também para designar um tipo de dança de umbigada (Dança de Puíta), dançada em pares por homens e mulheres. Mas a cuica em si é uma espécie de aprimoramento da “puíta”, também conhecido “Angona”, instrumento usado nos antigos terreiros de macumba do Morro de Santo Antônio, demolido para a obra da Avenida Chile, no Centro do Rio de Janeiro. A cuica foi introduzida na percussão das Escolas de Samba por João Mina, músico do Morro do São Carlos, portanto, possivelmente pertencente ao grupo de Ismael Silva”.  
.

3 comentários:

  1. Muito bom o texto, pois é muito complicado de encontrar material de boa qualidade que trace um perfil histórico sobre este instrumento tão genial que é a cuíca...

    ResponderExcluir
  2. JOÃO DA MINA(JOÂO ALVES DE JESUS)PARCEIRO DE NOEL ROSA NO SAMBA DE BABADO SIM,QUE LANÇOU A CUICA NO SAMBA E NAS ESCOLAS DE SAMBA,E QUEM APRIMOROU A CUICA COLOCANDO TARRACHAS,FOI SAMUCA DA ESCOLA DE SAMBA PAZ E AMOR DE BENTO RIBEIRO....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilha, Zé!! Obrigado pela contribuição!

      Excluir